Como a educação financeira pode ajudar em tempos difíceis

Estamos passando por uma das piores crises dos últimos anos, devido a pandemia instalada no mundo. E as consequências disso vem sendo cada vez mais assustadoras, onde para evitar a propagação do vírus e o colapso do sistema de saúde, foi decretado pelas autoridades o isolamento social e o “fechamento” da economia mundial.

E aí bate aquele desespero pois a maioria das pessoas não esperavam por isso.

Muitos estão trabalhando em home office, redução de carga de trabalho de 50%, layoff e consequentemente redução de salário, tendo que se reinventar, atendendo seus clientes somente através das ferramentas digitais, e muitos outros, infelizmente, perderam seus empregos e as suas contas não param de chegar. Não é mesmo?

Nesse momento temos que aprender algo que normalmente não nos ensinam na escola, que é como lidar com seu dinheiro, como controlar seus gastos e o que priorizar.

Abaixo deixo algumas dicas que podem auxiliar nesse momento difícil.

1 – Busque conhecimento sobre o assunto – hoje em dia temos varias fontes de comunicação e propagação de conhecimento e, educação, é algo obtido com estudo sobre o tema.

2 – Renda mensal – Faça um controle de sua renda mensal, caso tenha mais de uma fonte de renda, considere a somatória de todas. E claro, cuidado com os imprevistos como por exemplo, caso tenha algum bem alugado, a pessoa poderá não pagar em dia ou até mesmo devolver o bem.

3- Anote todas as suas despesas – como se fosse um diário, pois é uma forma de identificar seus gastos, e quando anotamos, temos controle da situação e a chance de algo passar despercebido é muito menor. Além de ser uma informação valiosíssima para análise e estratégias para onde está indo seu dinheiro. Isso ajudará nas tomadas de decisões se, caso necessário, até mesmo, corte de gastos. Hoje temos vários apps, planilhas e até mesmo cadernos que podemos utilizar para essa função.

4 – Acompanhe sempre seu “diário” e faça mudanças– Nada adianta você anotar os gastos e não analisar e revisar o orçamento. Então, estipule dias específicos para fazer isso e ajustar a “vela do seu barco” caso necessário.

5 – Negocie suas dívidas – Devido a pandemia, muitos bancos, empresas e proprietários de imóveis estão flexibilizando o pagamento de aluguel, empréstimos, financiamento de imóveis e carros e contas de consumo. Faça uma analise dos principais itens que poderá postergar o pagamento, porém, seja prudente nessa escolha. Postergar pagamento não quer dizer que não terá que pagar futuramente. Utilize as vantagens e estratégias a seu favor.

6 – Gaste somente o necessário – Importante nesse momento avaliar tudo o que vai comprar e controlar os impulsos compulsivos. Faça as seguintes perguntas antes de gastar.

Willian Furlan


Necessito disso ou posso esperar mais um pouco?


Consigo comprar a vista e ganhar desconto? Caso não, consigo parcelar sem juros?

Muitas coisas que temos vontade de comprar, podem esperar um pouco mais até as coisas melhorarem. Veja bem, não estou dizendo que não deva comprar nada, e sim que nesse momento, dependendo da sua situação financeira, evitar alguns gastos pode ser a melhor opção no momento econômico incerto que vivemos.

7 – Estipule metas e objetivos para economizar – Isso ajudara a manter o foco nessa jornada, pois o nosso cérebro tende a nos levar sempre para o lado do desejo imediato. A partir do momento que temos consciência e clareza do que queremos, tudo fica mais fácil.

8 – Aplique seu dinheiro de forma inteligente – Faça seu dinheiro trabalhar para você. Mas, cuidado com as promessas de retorno de investimentos alto e fora da realidade do mercado, muitas vezes isso pode ser golpes, pirâmides financeiras entre outros. Busque rentabilizar suas economias de forma que tenha segurança. Dinheiro debaixo do colchão não ajudará a aumentar seu patrimônio.

9 – Crie uma reserva de emergência – Muitos não sabem a importância da reserva, pois só lembram dela nesses momentos de crise e necessidade. Então, antecipe-se ao problema, após controlar suas dividas e gastos, procure poupar até você ter dinheiro suficiente que pague seus gastos por, no mínimo, 6 meses sem que você precise ter renda. Isso ajudará na sua saúde mental.

Seguindo esses passos tenho certeza que terá mais êxito em sua saúde e educação financeira.
Pois, nunca sabemos quando teremos que passar por essa situação novamente, então vamos nos preparar para que no futuro não sejamos pegos de surpresa novamente colocando em risco nossas finanças.
Caso não saiba como fazer isso, importante buscar auxilio de um profissional especialista em educação financeira e finanças comportamentais.

Por: Willian Furlan
Líder Regional de Operações de Franquias em uma Rede de Academias Multinacional desde 2016.
Cursando MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas FGV
Investidor no mercado financeiro desde 2014